às vezes tem mesmo de entrar e não pode mesmo ficar

Eu sei que te custa saber que não foi para sempre. Porque querias tanto que fosse. Porque acreditavas tanto que ia ser.

Essa pessoa entrou de uma forma tão bonita e intrigante na tua vida que tu começaste a acreditar que foi o destino que a colocou na tua vida e por consequência acreditaste que ela seria a pessoa com quem irias ficar para sempre. Mas não foi.

E sabes uma coisa? Há pessoas que têm mesmo de entrar na nossa vida e depois têm mesmo de sair. E certamente essa era uma delas.

Entram, fazem o que têm a fazer, ensinam-te o que têm a ensinar, depois alguma coisa não bate certo, algum erro é cometido, alguma incompatibilidade vem ao de cima, chega-se a um limite e é tomada uma decisão.

É assim que funciona a vida. Tal como um comboio. Uns entram na primeira estação e vão até à última, mas a maioria entra depois de ter começado a viagem e sai antes de ela terminar. Não te revoltes por causa disso. Se o comboio só pudesse levar as pessoas da estação inicial iria haver muitas que iam querer entrar mais à frente e não iam poder, e iria haver outras que iriam querer sair antes e teriam de ficar contrariadas até ao fim da viagem.

Não queres isso, pois não?

[ Lê mais no meu livro Todos os dias são para sempre]

Um texto de Raul Minh’alma

Imagem de Fabrizio Verrecchia